Get Our 2020 Fall Campaign Flyer

Pornografia: adoração distorcida

Aviso: este artigo é liberado para maiores de 13 anos!

Mais de 50% de pastores evangélicos admitiram ter visto pornografia no ano passado. Mais de 70% dos homens da idade de 18 a 34 visitam um site de pornografia a cada mês. Nove em cada dez crianças entre as idades de 8 a 16 já viram pornografia na Internet (Estatísticas da Safe Families).

Suponho que não há uma família nos Estados Unidos que não tenha sido prejudicada por questões relacionadas a sexo, sejam elas provenientes de Internet, abuso sexual, prostituição, adultério, ou da tendência ao despudor de nossa cultura.

Três das áreas mais comuns associadas com problemas relacionadas ao sexo são a luxúria, a pornografia e a masturbação. Sua prevalência é principalmente devido ao sigilo associado a esses pecados. Pornografia é uma das maiores distorções da adoração acontecendo em nossa igreja hoje. Ninguém está imune às tentações da pornografia, mesmo aqueles no pastorado. Na verdade, o ministério pastoral é uma das áreas mais férteis onde a luxúria pode sobreviver, crescer e florescer.

A primeira distorção da adoração

Satanás disse a Eva que se ela desobedecesse a Deus ela poderia ser como Deus. Por alguma razão, sua sugestão foi suficiente para ela dizer “não” a Deus e “sim” ao diabo. Ela acreditou numa mentira em vez de na verdade e Adão caiu junto com ela. Apesar de terem conhecimento de Deus, não o glorificaram como Deus. Eles escolheram o caminho do pensamento vão e por causa de sua escolha insensata, seus corações se obscureceram. Tão improvável quanto possa parecer, ainda que andassem com a verdade, eles escolheram voluntariamente adotar uma mentira.

E a resposta de Deus aos seus dois amigos não foi retorná-los ao seu estado anterior. Ele decidiu lhes dar os desejos impuros dos seus corações. Ele permitiu que eles mudassem a verdade sobre si mesmo por uma mentira e o efeito dos seus pecados foi um insaciável desejo de adorar e servir a criatura mais do que ao Deus vivo e verdadeiro (Veja Romanos 1.21-25).

Auto-adoração

A cena do primeiro pecado na Bíblia é a história de um homem e uma mulher que queriam ser deus. Ao invés de descansar naquele que é todo-suficiente e auto-existente, quiseram experimentar a sua própria versão de autoconfiança e independência. Eles queriam experimentar a vida em seus próprios termos, fazendo o seu próprio caminho. Embora eles conhecessem a Deus, eles implementaram um plano e uma prática “faça você mesmo”

Uma das vantagens do modelo auto-suficiente e auto-dependente que Adão e Eva implementaram, é que você começa a receber todo o crédito (a glória) pelas coisas que você conseguir. E um desejo de glória está bem no coração do problema da pornografia. Como disse Tim Lane:

Não é seu comportamento que o leva ao pecado, por isso o seu comportamento não pode tirar você do pecado. É a sua adoração que o leva ao pecado, portanto é sua adoração que deve tirá-lo do pecado.

Para os rapazes, a pornografia não tem primeiramente a ver com bumbuns e peitos. Sim, existe algum tipo de prazer visual distorcido que vem através do olhar inebriado, mas que não é o cerne da questão da pornografia. A prática da pornografia é uma forma sutil e secreta de uma pessoa ser adorada, de receber glória. A maneira mais óbvia em que ele recebe a glória é cercando-se com um harém virtual de mulheres que são “criadas” para adorá-lo. Claro que isto tem mais a ver com o “teatro mental” pornográfico do sujeito do que com a realidade. Mas todo pecado não é loucura e distorção?

Guarda o teu coração da justiça própria: Por estarmos todos nós “em Adão”, há um hediondo anseio por ser adorado dentro de todos nós. Embora o seu problema possa não ser a pornografia, você não está acima da tentação de ser adorado. Nós todos temos uma desordem de adoração.

Características do pornólatra

Precisam ser valorizados – Um componente do problema da pornografia é a ânsia de poder ou de prestígio. Imaginar-se cercado de mulheres nuas que o lisonjeiam todo é uma das maneiras para um homem sentir uma sensação de força e apreço. Pessoas auto-suficientes não querem ser percebidas como fracas ou rejeitadas.

Conquanto alguns de vocês possam ficar perplexos com esse tipo de pensamento distorcido, você pode estar lutando de igual modo, embora seu problema de comportamento pecaminoso possa não ser a pornografia. Seu problema pode ser se preocupar muito sobre o que os outros pensam de você, enquanto estremece com a idéia de ser exposto por aquilo que você realmente é. Você também não quer ser visto como fraco ou não quer ser rejeitado, daí você sucumbe à aprovação das pessoas.

Sentem-se esgotados – O que tem sido denominado de “workaholismo” é muitas vezes o anseio de um homem por poder e prestígio através de seu trabalho. Seu senso de valor e identidade estão presos em quem ele é e o que ele faz, ao invés de descansar e desfrutar sua identidade em Cristo.

Satisfazer sua ânsia de poder e prestígio alimentado por longas horas de trabalho o deixa drenado e esgotado. É nesses momentos de fraqueza que ele acredita que precisa de um “hoje-você-merece-uma-pausa-me-pegue”, que encontra através dos prazeres da pornografia e da masturbação.

Anulados no trabalho – Como alternativa, se seu trabalho não é gratificante e ele não sente apreciação e aplausos por seu trabalho, ele será tentado a encontrar apreciação e aplausos por meio do portal do sexo na Internet. Na escuridão da noite, no porão de sua casa, no teatro da sua mente, ele envolve-se com o seu harém e desfruta de uma sessão privada em que ele é o centro das atenções. O filme termina sempre com o mesmo prazer climático e eufórico que vem através da masturbação.

Anulados no casamento – Deus disse que o desejo de Eva seria para seu marido, mas que Adão a dominaria. A tentação de dominar o marido é inerente em todas as mulheres. Algumas mulheres têm se submetido maravilhosamente, humildemente e graciosamente aos seus maridos da maneira biblicamente apropriada, conforme a Bíblia ensina. No entanto, em muitos casos em que a pornografia é um problema para o homem, a mulher tem sido chata, ou insubmissa, ou não edificante, ou não humilde, ou algum outro comportamento(s) que leva o marido para a pornografia – apesar de ele ser plenamente responsável por seu pecado.

(Não estou dizendo que todo homem que está na pornografia tem uma mulher difícil. Mas a maioria dos casos de aconselhamento matrimonial que eu tive ao longo dos anos atestam que a esposa complica o problema da pornografia pelas suas próprias tentações e questões pecaminosas.)

Uma reorientação na adoração

Um cristão ligado em pornografia ainda não teve uma compreensão plena e apropriada do Evangelho. Ou ele não os conhece ou não sabe como descansar e desfrutar dos prazeres e benefícios que o Pai concede a todos os seus filhos. Há um bloqueio entre ele e o Evangelho que tem dificultado seu relacionamento com o Pai. Ao invés de tentar consertar seu relacionamento com o Pai, se é que está consciente de que está quebrado, ele escolhe a solução rápida que é encontrada na pornografia.

Primeiro pecado – Ele vai adorar o que é importante para ele naquele momento. Se a pornografia está sobrepujando Deus no momento da tentação, então ele precisa saber que, pelo menos naquele momento, a pornografia foi mais importante para ele do que Deus. Culto à pornografia indica um relacionamento quebrado ou insuficiente com Deus. Ao invés de escolher a Deus na hora da tentação, ele escolheu o alívio da pornografia.

Segundo o pecado – E então, depois que ele comete seus pecados pornográficos, ele opta por não contar à sua esposa, ao seu pastor e ao seu melhor amigo, porque acredita que sua reputação é mais importante. Na primeira instância do pecado, o alívio foi mais importante que Deus; e na segunda instância do pecado, sua reputação foi mais importante do que Deus.

O denominador comum em ambos as instâncias de pecado é que sua adoração estava mais focada em si próprio e não em Deus. Isso aponta para uma falta de entendimento, de apreço e de respeito para com Deus. Deus é empurrado para a periferia e o “eu” é trazido para o centro de sua estrutura de adoração. Essa pessoa precisa de uma reorientação de adoração.

A primeira coisa a fazer é descobrir o que está errado em seu pensamento sobre Deus. Ele está deliberadamente escolhendo pornografia ao invés de Deus e há uma razão para esta escolha. No momento da tentação, a pornografia supera Deus: Por que isso? Ou, uma outra maneira de fazer a pergunta é: “Por que você não gosta de Deus, especificamente no momento da tentação? O que é que a pornografia dá a você que você não acredita que Deus possa lhe dar?”

Filed Under:
Tagged: