Get Our 2020 Fall Campaign Flyer

Os testes da Temperamentologia

Em outro post já fiz uma crítica direta às tentativas de compreender a si mesmo da psicologia popular que são absorvidas pelos cristãos. Aqui, pretendo avaliar de forma bem-humorada algumas das armadilhas para os cristãos que estão convencidos destas abordagens de cuidado da alma.

TESTE:

Traços positivos ou pontos fortesTraços negativos ou pontos fracos
Você é diretoVocê é teimoso
Você é geralmente felizVocê é inflexível
Você defende a verdadeVocê limita suas possibilidades
Portanto, você é um cristão tipo POSTE DE LUZ”

Algumas advertências para os cristãos do tipo Poste de luz…

O que você acabou de ler não é verdade: você não é um cristão tipo Poste-de-Luz! É sério… Acabei de inventar a avaliação acima. Eu estava sentado na minha sala de jantar olhando para o poste de luz do meu beco sem saída. É verdade! Fui eu que inventei! Eu estava olhando para o poste de luz e comecei a tirar conclusões metafóricas das minhas observações.

Ele é alto e, digamos, “direto”. As luzes na parte superior são brilhantes, daí o “geralmente feliz”. Porque ele é alto, eu imaginei acrescentar alguma coisa sobre “defender a verdade”. Sacou? Claro, eu tinha que ir para o lado negativo do espectro, a fim de ter uma apreciação equilibrada. Portanto, “teimoso” e “inflexível” foram conclusões óbvias. O “limita suas possibilidades” foi um golpe de criatividade. Levou uns cinco minutos extras pensando sobre o poste de luz para chegar a este. A luz, você sabe, só pode iluminar até certo ponto. Se eu acabei de descrever você, por favor, creia-me: você não é um cristão poste de luz!

Descrições precisas não levam a conclusões precisas. Pessoas que não têm uma boa compreensão da Bíblia são facilmente enganadas por esse tipo de abordagem de compreensão da alma. O que eles não percebem é que Deus nos deu tudo o que precisamos saber para viver uma vida piedosa (veja 2 Pedro 1.3). Mas, infelizmente para estes cristãos que sinceramente desejam crescer, ao invés de avançar na sua compreensão da Bíblia, eles facilmente se agarram às explicações da alma da nossa cultura.

Portanto, quando lêem o que parece ser uma avaliação precisa de si mesmos (e, de todo modo, conseguem ser precisas), eles atribuem “autoridade” à pessoa que fornece a avaliação exata, porque ela os descreveu acuradamente. E, ao fazê-lo, o cristão aceita as conclusões também. Com base no poder de persuasão, num desejo insaciável de ser descoberto, e num desejo de mudança, o cristão abraça a conclusão e começa a sua identidade nova como um “cristão poste de luz”.

Abraçar as minhas conclusões não é um grande salto, se você acreditar que minha descrição de você é exata. Este é um falso continuum. Um falso continuum é precisamente o que conduz a análise de DDA (Distúrbio de Déficit de Atenção) e TDAH (Transtorno do Déficit de Atenção com Hiperatividade). Avaliar uma criança subjetivamente como DDA, que é o único método para “avaliar” DDA, e dar à criança uma conclusão baseada em uma avaliação subjetiva secularista é altamente questionável.

A psicologia humana não é um jogo de tabuleiro. Muitas vezes as pessoas que abraçam as explicações da psicologia popular para a alma compartilham a sua sabedoria recém-adquirida de maneira vertiginosa. Tenho ouvido muitas, que abraçam esta abordagem, partilhar as sua “temperamentologia” com humor e descontração. Eles não parecem compreender que o Salvador foi executado na cruel cruz, a fim de transformá-los de sua velha natureza em uma nova pessoa em Cristo.

Mas para estes iniciantes, ser um Castor ou Cão de Caça, ser sanguíneo ou fleumático, ter personalidade tipo A ou B, involuntariamente suga o poder da mensagem do Evangelho. Deus matou o seu Filho para que possamos ser melhores que isso. Estes tipos de avaliações não são o caminho bíblico para uma vida transformada e transformadora. Nem oferecem a esperança bíblica que encontramos no Evangelho. Mas, pior ainda, colocam o foco mais em si mesmos do que no Salvador que morreu por eles. Tudo considerado, isto é uma zombaria do Evangelho.

Se alguém está em Cristo…

Se você está “em Cristo ” posso convencê-lo a, humildemente, procurar pensar mais como Cristo? Engrandeça-o. Diminua si mesmo. (João 3.30) Você é mais conhecido como Tipo A ou como centrado em Cristo? As pessoas estão mais conscientes dos resultados da sua avaliação da personalidade ou da avaliação de Deus de você?

Print Friendly, PDF & Email
Filed Under:
Tagged: