Get Our 2020 Fall Campaign Flyer

Facebook: um novo tipo de intimidade

Jeremy postou a idade errada em sua página no Facebook. A esposa de Phillip não aparece em nenhuma das suas fotos. Camille substituiu assistir a Oprah pelo Facebook. Jan reconectou-se com dois dos seus antigos namorados do colégio, e não contou ao seu marido. Wallace não tem idéia de quanto tempo sua esposa gasta no Facebook. George não diz que ele é casado em sua página.

Estas histórias são verdadeiras, embora os nomes tenham sido mudados.

Se o Facebook fosse um país, seria o terceiro maior país do mundo. Para a maioria de nós é uma ferramenta boa e útil. No entanto, não é de estranhar que também seja uma fonte de tentação para os insatisfeitos e descontentes.

Não há lugar onde lado pecaminoso do Facebook seja mais proeminente do que em casamentos que não realizaram as expectativas de um ou de ambos os cônjuges.

Será que você vai gostar de mim?

O Facebook se tornou a nova falsa intimidade. É relativamente seguro. Pode fornecer uma percepção dos relacionamentos reais, autênticos. É melhor do que a mania de videogames, porque enquanto você pode interagir tanto com o Facebook quanto com jogos na privacidade da sua casa, o Facebook tem pessoas reais do outro lado. (Eu reconheço que há interação com pessoas reais em alguns videogames, mas o Facebook fornece um tipo diferente de tentação por meio de relações cibernéticas.)

John me disse que a razão que ele usa nome e idade diferentes em seu perfil do Facebook é porque ele quer que as pessoas gostam dele e sente que a sua melhor chance é mudando a sua identidade. Seu nome é Al Facebook e em vez de usar sua idade real, 43 anos, ele se apresenta como um estudante universitário de 23 anos, solteiro. Ele me disse que não se achava uma pessoa má, como sua esposa lhe dizia, porque as pessoas gostavam dele no Facebook. Curiosamente, seus relacionamentos na vida real são disfuncionais, enquanto seus relacionamentos no Facebook dão a impressão de serem normais. João diz que isso é porque as pessoas com quem se relaciona na vida real não o entendem e, portanto, são culpados pela disfunção.

Pecado com uma distorção onipresente

Tenho certeza que você não está surpreso com essas coisas. O pecado é nosso adversário sempre presente e porque o pecado é parte de nossas vidas, coisas ruins acontecem. O Facebook oferece uma forma um tanto asséptica de flertar com as pessoas ao redor do mundo para uma pessoa comum. Esses tipos de tentações que costumavam ser de domínio exclusivo do viajante de negócios agora foram trazidas para as nossas casas, e de graça.

Hoje, mais pessoas têm acesso cibernético que em qualquer momento na história da humanidade. O adolescente irritado, a dona de casa solitária, o operário de linha de produção insatisfeito, e o engenheiro sobrecarregado agora podem ser incluídos no que costumavam ser os privilégios duma elite social. É fácil.

Na pior das hipóteses, o casal que está flertando faz planos para se encontrar. Sim, isso tem acontecido mais vezes do que você possa imaginar.

  • Pai, você tem acesso à conta do Facebook do seu filho?
  • Esposa, você tem acesso a conta do Facebook do seu marido?
  • Marido, você conhece as pessoas com quem sua mulher está falando durante todo o seu dia quando você está ausente?

A analogia do namoro

Eu gosto do Facebook. Tem sido uma ferramenta extraordinária de redenção para o meu negócio. No entanto, por causa do meu negócio, eu vejo o lado insalubre do Facebook também. Sem responsabilidade amorosa pode ser um meio perigoso, que parece não estar indo embora tão cedo. Facebook pode ser como um relacionamento de namoro entre qualquer menino e menina.

O namoro tem aspectos de artificialidade, oferecendo diversos graus de intimidade e de realismo. Claro que, quando o menino e a menina se casarem e estão ligados para a vida toda, o verdadeiro realismo vem à tona. Enquanto estavam namorando eles tinham uma pausa um do outro ao fim do dia. Quando se casaram, eles descobriram que não houve intervalos e, depois de um ano ou dois de vida contínua com o outro, eles se cansaram um do outro e começaram a procurar outras maneiras de serem amados. Isso acontece por causa do egocentrismo e falta de compreensão do amor bíblico (Mateus 22.36-40).

Apresentando o Facebook

O Facebook se torna o novo contexto de namoro para os insatisfeitos. Ele fornece todos os apetrechos de namoro, sem compromisso nem expectativa de casamento. Simplesmente, nós não convivemos com as pessoas que socializamos no Facebook. Semelhante ao namoro, podemos apresentar o melhor de nós diante dos nossos amigos de Facebook. Eles nunca têm que lavar a nossa roupa de baixo ou cheirar nosso bafo. É quando pensamos que as pessoas no Facebook são diferentes do que as pessoas com que convivemos que entramos em apuros.

Nossas esposas são aquelas que vivem com o nosso “eu” verdadeiro. Tenha isso em mente se você estiver tentado a atravessar as linhas da impropriedade quando se relaciona com um amigo no Facebook. Alguns de vocês não têm idéia do que estou falando. Eu louvo a Deus por vocês. Ele pode proteger você do lado sórdido das redes sociais. No entanto, alguns de vocês estão sendo tentados pelas perspectivas pecaminosas do Facebook ou já está envolvido em relacionamentos impróprios.

A você, eu apelo que obtenha ajuda. Nada de bom pode vir dali, não importa o quão ruim você acha que seus relacionamentos reais são. Sim, o Facebook pode ser divertido, mas é somente ciberneticamente real e não deve substituir uma autêntica vida em conjunto.

Para a Glória de Deus

Pense em como você pode usar o Facebook redentivamente. O que quero dizer é como você pode chamar a atenção para o seu grande Deus e não para si mesmo? Como você pode promover o Evangelho através do Facebook? A resposta para o dilema do Facebook não é necessariamente a abstinência, a menos que tenha sido pego por ele e a coisa mais sábia a fazer seja cortar os laços com o Facebook (veja Gálatas 6.1). Aqui estão alguns outros pensamentos redentivos:

  1. Pergunte ao seu cônjuge ou amigo o que eles pensam sobre suas atualizações do Facebook.
  2. Forneça seu log-in ao seu cônjuge.
  3. Compartilhe links centrados no Evangelho com outros.
  4. Compartilhe versícuos que Deus tem usado para encorajá-lo.
  5. Procure incentivar os seus amigos.
  6. Mantenha contato com amigos e familiares.
  7. Aprenda as configurações de segurança e as use.
  8. Guarde o seu coração (e seu tempo) contra jogos de Facebook.
Filed Under:
Tagged: